Apple renomeia software de realidade mista ‘xrOS’ em Sign Headset is Approach

(Bloomberg) — A Apple Inc. está acelerando o trabalho em um fone de ouvido de realidade mista, sua primeira grande nova categoria de produto desde o Apple Watch, e renomeou o software que o acompanha no mais recente sinal de um lançamento iminente.

A empresa planeja lançar o fone de ouvido já no ano que vem, juntamente com um sistema operacional dedicado e uma loja de aplicativos para software de terceiros, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Internamente, a empresa mudou recentemente o nome do sistema operacional para “xrOS” de “realityOS”, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas porque o projeto ainda é secreto.

O novo nome do software é uma referência aos recursos de realidade mista do headset. “XR” significa Realidade Estendida, um termo que engloba Realidade Aumentada e Realidade Virtual. A realidade aumentada sobrepõe gráficos e informações virtuais no mundo real, enquanto a realidade virtual é uma experiência abrangente para jogar e assistir a vídeos.

A investida da Apple no mercado está preparando um confronto com a Meta Platforms Inc., dona do Facebook e do Instagram, que está apostando no metaverso em parte para reduzir sua dependência dos aparelhos da Apple. A mudança também faz parte de uma busca contínua pela “próxima grande novidade” da Apple. Com o Apple Watch, lançado em 2015, a empresa transformou seu negócio de wearables em uma divisão que agora gera mais de 10% de suas vendas, contribuindo com US$ 41,2 bilhões no último ano fiscal.

Um representante da Apple, com sede em Cupertino, Califórnia, se recusou a comentar sobre seus planos de fones de ouvido.

Ao oferecer tecnologias AR e VR, o novo fone de ouvido da Apple adota uma abordagem diferente de muitos dos modelos existentes de empresas como Meta e HTC Corp. Mas a Meta tem um fone de ouvido mais novo, o Quest Pro, que mistura as duas abordagens.

Leia mais: Meta enfrenta um buraco do tamanho da Apple em seu outrora poderoso negócio de publicidade

O sistema operacional de realidade mista apresentará novas versões de aplicativos principais – como Mensagens e Mapas – e funcionará com um kit de desenvolvimento de software que terceiros podem usar para criar seus próprios aplicativos e jogos, informou a Bloomberg News. O fone de ouvido e seu sistema operacional e aplicativos estão sendo desenvolvidos dentro do que a empresa chama de Grupo de Desenvolvimento de Tecnologia, ou TDG, uma unidade secreta chefiada pelo executivo Mike Rockwell. O sistema operacional foi supervisionado por Geoff Stahl, diretor sênior de engenharia e veterano da Apple por quase 24 anos, que liderou o trabalho em software de jogos e gráficos.

Publicações de empregos recentes revelaram que a Apple está procurando criar seu próprio “mundo de realidade mista” baseado em 3D. Pessoas familiarizadas com os planos da empresa disseram que o dispositivo oferecerá ferramentas de colaboração virtual e uma versão VR do FaceTime, rivalizando com serviços como o Zoom e o Horizon Workrooms da Meta. A Apple recrutou recentemente o chefe de engenharia para seus aplicativos de produtividade iWork, aplicativo Notes e Apple News para trabalhar no fone de ouvido.

Quando a Apple começou a desenvolver o sistema operacional há cerca de sete anos, a empresa o apelidou internamente de “realityOS” – ou “rOS” para abreviar. A Apple recentemente começou a se referir ao software como “xrOS” dentro da empresa. O novo nome, ao contrário do apelido mais genérico de “realidade”, pode ajudar a Apple a reivindicar o nascente mercado de realidade mista.

Na mesma época da mudança de nome, uma empresa secreta chamada Deep Dive LLC registrou uma marca para a marca “xrOS” em vários países ao redor do mundo e está tentando garantir o nome nos Estados Unidos. Se a Apple realmente está por trás dos registros, isso sugere que também está considerando o uso de “xrOS” como um nome de produto público.

A Deep Dive, registrada por outra empresa de fachada em 2017, solicitou o nome pela primeira vez na Suíça em março. Recentemente, expandiu os registros para o Reino Unido, Israel, Malásia, México, Ucrânia, Filipinas, Austrália, Japão, Canadá e União Europeia. Em setembro, um escritório de advocacia que representa a Deep Dive entrou com um pedido para se opor a um pedido de marca registrada dos EUA apresentado em março para o nome xrOS por uma empresa chinesa não relacionada.

A empresa fictícia reivindicou a marca registrada para classificações que incluem “head-mounted displays” e dispositivos que fornecem “realidade virtual e experiências de realidade aumentada”. Essas mesmas classificações foram usadas para a marca original “realityOS” no ano passado.

Marcar um nome por meio de uma empresa de fachada em vários países estrangeiros segue a estratégia usual da Apple para estabelecer uma marca, embora a decisão de começar na Suíça seja um tanto deslocada. A Apple geralmente registra marcas registradas em países como Jamaica, Liechtenstein ou Trinidad e Tobago, o que não torna os registros fáceis de visualizar pelo público.

Por exemplo, a Apple registrou recentemente o nome “Dynamic Island” para o iPhone 14 Pro na Jamaica. Mas seus aplicativos para “Reality One” e “Reality Pro” – nomes possíveis para o próprio fone de ouvido – também estão disponíveis online, assim como a pasta para “realityOS”. Em ambos os casos, a Apple estava por trás dos processos, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

Mesmo assim, não há garantia de que a Apple não avance com o “realityOS” ou algum outro nome como uma marca voltada para o consumidor.

A Apple não seria a primeira empresa a usar o nome “xrOS”. Em uma coincidência desajeitada, a Meta tinha uma equipe de cerca de 300 engenheiros desenvolvendo um sistema operacional de realidade mista com o mesmo nome. Mas esta empresa não parece estar por trás dos últimos registros de marcas registradas.

O CEO da Apple, Tim Cook, divulgou seu interesse em realidade aumentada nos últimos anos, e a empresa construiu uma plataforma relacionada chamada ARKit, permitindo que iPhones e iPads executem aplicativos AR.

Espera-se que seu primeiro dispositivo no espaço seja significativamente mais caro do que os principais concorrentes existentes e inclua monitores de resolução ultra-alta para VR e várias câmeras externas para lidar com elementos AR. Ele também terá recursos de rastreamento manual e executará um processador baseado no chip M2 – o componente apresentado nos Macs mais recentes da empresa.

Como sinal do progresso do desenvolvimento, a Apple apresentou o dispositivo ao seu conselho de administração no início deste ano.

©2022Bloomberg LP